Baggio Sedado


Argumento do Filme Baggio Sedado
novembro 9, 2007, 1:06 pm
Filed under: Argumento

Pegando um punga

Rian Santos*

Mente vazia é morada do diabo, e eram tão raras as oportunidades de pecado que não me restava muito a fazer, além de acalentar nojeiras em pensamento. Era como se eu morasse em São Cristóvão, dedilhasse uma guitarra tosca e ruminasse as aventuras de um doido chamado Baggio. Cantam os anos da juventude como uma proeza de cavalaria, campos e moinhos de vento, um desafio na curva de cada esquina, mas o início de minha adolescência foi condenado a quatro paredes de rotina. É essa energia contida, confinada nos limites bem definidos da paisagem de todos os dias, que encontramos no trabalho da banda The Baggios.

Quem duvida pode escutar o CD demo, homônimo, gravado no final do ano passado. Os incautos vão escutar um monte de riffs impregnados de blues e fumaça, ecos setentistas e timbres vigorosos. Para mim, em cada paletada a vontade endoidecida de pegar um trem, fugir ao marasmo de uma cidade morta. Júlio Dodge liga o ampli e é como se cada paralelepípedo da cidade histórica pedisse arrego. Porque São Cristóvão podia, mas não é. Sucumbiu aos homens feito a puta sonhadora, um bordado de ilusões junto aos panos de bunda, o rosto murcho e o bolso vazio no final da madrugada.

Com quinze anos, a mão cheia de calos e uma edição vagabunda dos Contos da Taverna na estante, eu sonhava a embriaguez que minha educação burguesa impedia. Meu plano era arranjar um subemprego para sustentar alguns vícios e me dedicar sem maiores tropeços à redação da prosa insossa de meus dias. Como atesta o presente artigo, meu destino se revelaria menos heróico. A figura Baggio que inspirou os amigos de São Cristóvão, no entanto, foi mais longe. Morou embaixo de pontes, estações de trem, e levou os andrajos de sua poesia para Salvador e São Paulo. No final, alquebrado, retornou a sua cidade natal, para se sentir ainda mais estrangeiro e enlouquecer definitivamente.

Os moleques da banda The Baggios podem se entediar, encher a cara sonhando a Woodstock que nunca viverão e se entediar novamente, sem saber ao certo onde estão indo. Eu, que tenho quase trinta anos mas guardo lembrança de minhas punhetas, escuto suas canções e desconfio que estejam no caminho.

*Colunista do Jornal do Dia

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: